quarta-feira, 7 de maio de 2008

Segredo!



Segredo

Nem o Tempo tem tempo
para sondar as trevas

Deste rio correndo
entre a pele e a pele

Nem o Tempo tem tempo
nem as trevas dão tréguas

Não descubro o segredo
que o teu corpo segrega



David Mourão Ferreira

No Veio do Cristal
(1980-1988)


5 comentários:

Ana Maria disse...

O segredo é uma caixinha de surpresa; são ocultos e curiosos;
acelera nossa imaginação.
Gosto muito de ti visitar, amo trocadilhos.
Obrigada pela visita.
Beijinhosssssss carinhososssssss

Fátima disse...

Amigo,

Lindo poema!
Realmente nem o tempo tem tempo!

:-) um abraço

Fátima disse...

Amigo,

Lindo poema!
Realmente nem o tempo tem tempo!

:-) um abraço

Cláudia - Mais prosa do que verso - disse...

Lindo poema. Temos segredos que nós próprios desconhecemos.

Obrigada pela visita.

Bjos em prosa.

Parapeito disse...

...é Sempre bom que o rio guarde alguns segredos :)
**